27 de julho de 2016

Relaxa, você não é o único nessa terra que passa por problemas.


Quem um dia não passou por um aperto ou por uma situação difícil em que não sabia o que fazer?

São inúmeros os casos que se encaixam nessa realidade. Como por exemplo: um caso como uma perda de emprego por parte dos pais, a falta de dinheiro para realização de um sonho, a falta de habilidade para uma determinada tarefa, medo de se arriscar em algo novo, etc.

A Bíblia narra em II Reis 4. 1 a 7 a história da viúva, o azeite e o profeta Eliseu. Esse fato narrado se assemelha a essa realidade apresentada acima e apresenta soluções que servem como exemplo para todos nós.

Diz o texto bíblico que a viúva estava correndo o risco de perder os filhos por causa de dívidas e por não ter dinheiro para pagar o credor. Diante dessa situação, ela foi até o profeta e o pediu ajuda. Eliseu então apresentou as soluções, que naquele momento foram instrumentos de milagre para ela e seus filhos, mas que podem facilmente servir de inspiração para todas as pessoas diante das adversidades.

A primeira coisa que gostaria de destacar é a postura do profeta. Eliseu foi o “cara”, pois foi muito “louco”, como ele tratou com naturalidade o problema dela e dos seus filhos, sem exagerar, mas também não deixando de se preocupar como deveria.  Do mesmo modo, nós devemos lidar com os problemas que temos na vida, não podemos achar que é o fim do mundo, mas também não podemos fingir que nada está acontecendo.

Um grande exemplo disso é o desemprego dos pais ou aquele dia em que os pais ficam nervosos. Precisamos ter o equilíbrio e naturalidade, saber que todo mundo passa por problemas e que não somos os únicos.

Outra aplicação importante, é que Eliseu usou a família como objeto de milagre para aquela casa. E ele pediu para que eles pudessem executar todo o processo de milagre. Assim também é conosco, Deus quer usar o que temos em nossas mãos, como instrumento de milagre, seja um talento ou coisas que estejam ao seu alcance, como fazer uma faculdade, ir para um retiro e etc.

Portanto, não se atemorize com os problemas, mas faça com que eles sejam encarados como uma forma amadurecimento e de milagres em sua vida. 

2 de julho de 2016

Como devemos correr a corrida da fé?


O texto bíblico de Hb 12.1B nos diz como podemos fazer isso: “Portanto, deixemos de lado tudo o que nos atrapalha e o pecado que se agarra firmemente em nós e continuemos a correr, sem desanimar, a corrida marcada para nós”. LHJ

Primeiramente, desembaraçando-nos de todo peso. Como assim? Naquela época todo atleta, para se preparar para uma corrida, fazia seu treinamento com muitas roupas, pois achava que, ao tirá-las,  tinha a impressão de que estava mais leve e, consequentemente, iria ter melhor desempenho na corrida.

Assim nós também precisamos abandonar da nossa vida todo peso, que nada mais é do que coisas essenciais que podem servir de empecilho para seguirmos a carreira espiritual. Não são pecados, mas coisas tais como: ambição mundana, acomodação, um namoro, amizade.

A segunda atitude que devemos ter frente à corrida cristã é abandonar o pecado que tenazmente nos assedia. A palavra grega empregada aqui para pecado é “euperistatos”, que da uma ideia de “facilmente desviado”, dando a entender como "aquilo que faz alguém mudar de seu rumo".

Diante disso, o cristão deve abandonar o pecado que possa estar atrapalhando-o a ter uma comunhão plena com Deus. Como está escrito em Mateus 5.29: “se teu olho te faz pecar, arranca-o e lança-o de ti”;

E a última dica é correr com perseverança. Nenhum atleta pode esperar que ganhará sem persistência ou sem correr firme até o fim, a despeito das dificuldades. Perseverar nada mais é do que fazer a mesma coisa sem desistir, como, por exemplo, a oração, leitura da Bíblia, e outras práticas espirituais. 

Portanto, assim como um atleta corre sua corrida orientada pelo seu treinador, faça também o mesmo: siga os conselhos do autor de Hebreus para correr a corrida da fé.